top of page

Sol Rei

Atualizado: 21 de jul. de 2023

Por Dani Raphael

No a(pagamento) do tempo, o sol brilha como se o ontem nunca houvera, como se as dívidas fossem apenas críticas sonhadas e não realidades vividas, e o sol brilha, e brilha mais um pouco, queimando os rastros que foram deixados pelo caminho da espera, iluminando um futuro criado no agora sem passado. E esta tudo feito, tudo consumado

O ontem, talvez o ontem não seja digno de ser lembrado, ou talvez se lembrado for, nos remeta ao soltar as mãos da esperança de algo que há por vir, mas o por vir é incerto, quando estou solta das minhas amarras, por que o fio que me prende ao mundo é a metáfora do início,  e pensar que não há início, pois todo início se inicia no agora, me apavora.

E o sol brilha, secando as enxurradas e revelando a terra seca incrustradas nas curvas das avenidas, 

E o que me resta é contemplar a terra e não a chuva que se fez passada, pois lembrar da chuva é loucura, já que os ciclos são como são,  e não há culpa no que não É agora, e sem história não há motivo para retaliação,  e só os loucos se mutilam re(acorrentando) seus pés.

Seja livre, seja livre, grita aquele que está assentado ao alto.


Imagem Pexels

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Noite

bottom of page