top of page

Mar em fúria

Por Dani Raphael


Ainda sinto a pele estremecer, como se nada fosse além de nervos descolados de seus músculos, bailando a dança das ondulações.

Tudo é turvo, frio e amargo, como um arroto que por instantes impede os movimentos involuntários da traqueia.

Paro, respiro  e respiro mais um pouco

Nada me acalma, nada acalma minha pele-alma, alma-sede, sede-fome

Nada me acalma

Como dentro de um mar em fúria, sou apenas mais uma onda que se arrebenta na praia, se desfaz em meios as rochas e retorna cheia de tudo que alguém esqueceu pelo caminho


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page